segunda-feira, novembro 19, 2007

My Bloody Valentine - Isn't Anything


Você acredita que há a possibilidade de fazer um som que ao mesmo tempo que sôa harmônico e delicadamente melódico, barulhento, sujo, resultando num caos sonoro que contrasta com um vocal etéreo (Melhor palavra para definir) e limpo. É meu(minha) jovem, conseguiu essa façanha, e provando que ainda era possível redefinar a cara da música noise.
Formado na metade dos anos 80, aqui mesmo, em Dublin, o My Bloody Valentine demorou até arranjar o sua personalidade própria, indo desde o rock gótico, enquanto moravam na Alemanha, até experimentalismos e milhares de EPs, já acentados em Londres. Capitaneado por Kevin Shields, guitarrista e cabeça por trás de todo o barulho da banda, a banda tomou forma em rumo de seus únicos dois discos com a entrada da vocalista e guitarrista Bilinda Butcher, que com o seus dotes vocálicos faria todo o contraste e beleza do som dos Ingleses/Irlandeses, que ainda contavam com Colm O'Ciosoig na bateria e Debbie Googe nas quatro cordas.
Com 7 EPs já lançados, e o nome já consolidado, em 88, a banda lançou este, que é seu primeiro disco, chamado Isn't Anything, que vai na contra-mão do som das bandas de rock alternativo que vinham da America. Com uma forte influência de Jesus And Mary Chain e Dinosaur Jr., com apenas um disco, o My Bloody Valentine já sentia o peso de serem os criadores de um estilo musical inédito e que já andava tendo crias pelas bandas da terra da Rainha. O tal gênero é o tal Shoegazer, que compreendia não só a musicalidade densa, barulhenta e dócil, mas principalmente à postura adotada pela banda e suas apresentações ao vivo, no qual, se restrigiam a tocar suas músicas, não tando "nem aí" para o público, muitas vezes, olhando para os seus pés (Shoes). Jornalistas musicais e seu hobbie de criar novos rótulos. Isso não é novidade para ninguém.
Com apenas mais um disco, chamado Loveless, de 91, esta banda foi uma das grandes potências do sonoridade indie e uma das mais inovadoras. Composições deprimentes , que carregam as guitarras mais sinistras que eu já escutei, não de riffs, mas de sonoridade, atmosférica, densa, hipnóticas e cerebrais que embassam totalmente a harmonia e melodia das músicas, algo que está totalmente além das minhas palavras.
O ruído nunca soôu tão sublime e tão áspero. Uma aventura totalmente nova pra ti que tá acostumado à sempre a mesma coisa. Clique na capa e faça o que deve ser feito.

13 comentários:

Anônimo disse...

My friend. Grande trabalho que vocês fazem neste blog. Parabéns e keep this hard work.
Vc esqueceu de fazer o link para o Dload.
Hugs

Cris Tchitcho disse...

Emo? Cara, curtia mais quando vc postava uns death, destruction, etc...

Anônimo disse...

PORRA CARA DAHORA!

mas...

cade o link?

dhuaSUdhdas

vleoo!

Blog fodaaa!

Felipe Eugênio disse...

Bom, realmente, cagada minha, postei e esqueci de botar o maldito link para o download, então hoje durante a manhã fiz a mão.
Quanto a você, Cris Tchitcho, vai tomar no teu cu! Emo é sua mãe no barco viking. Não leva a mal não, mas tá cheio de blog aí na internet forrado de bandas de thras/death, não dá pra mudar um pouco que nego já acha ruim. Se tu acompanha essa bagaça a mais tempo, tu deve saber que a gente posta os mais variados estilos, cada um tem sua vez, fica esperto. Desculpa pela falta de educação, mas esse tipo de comentário me deixa com a piça na mão.

Cris Tchitcho disse...

ficou putinho? cara, acompanho isso aqui faz muito tempo, e inclusive baixo varias coisas aqui que toco no meu podcast...sei muito bem que vs colocam estilos mais diversos aqui, e gosto muito...de Sonic Youth (inclusive comentei elogiando quando postaram, não sei se vc se lembra) à Extreme Noise Terror...já rolou até Charlie Brown Jr aqui (que eu acho uma merda, mas beleza)...agora, não entendi pq essa revolta toda..a banda é emo mesmo, falei alguma mentira??? Não tenho nada contra cara, só não gosto e este é um direito meu...Não faltei com respeito hora nenhuma em meu comnetário, só disse que não curtia e tal..mas que essa merda é EMO isso é...e nem falei que Emo era ruim também, só falei que eu prefiro outros estilos..nao entendi o pq de tamanha revolta...ah, e antes que eu me esqueça: VAI TOMAR VC NO SEU CU!

Felipe Eugênio disse...

Se falou mentira? não chamando de mentiroso, mas sim, falou. Se for dar algum rótulo pro My Bloody Valentine, ele seria Shoegazer, afinal, foi eles quem criaram isso. De boa, baixa esse troço e compara com Taking Back Sunday ou All-American Rejects, vai ver que tá longe disso.
Tu tem certeza que não confundindo com o Bullet For My Valentine? Pois tem duas palavras em comun e são rotulados de emos, seguidamente.
Tá massa teu blog, apesar de não ter escutado o podcast ainda, mas reconheci várias bolachas postadas aqui.
"e nem falei que Emo era ruim também". Bom, eu também não sou chegado não, mas tem uma banda que eu acho massa, o Jimmy Eat World, que é sempre chamada de Emo, não me importo, gosto do som deles.
Só mais uma coisa, pra não perder o costume: Vai dar o Cu pro Gato Arranhar!

blessed are the sick disse...

shoegaze, exatamente


óóótimo cd diga-se de passagem!

Winston Fudêncio Bucéfalo disse...

cris e felipe, seus homossexuais, vão se fuder, vão?

Julio disse...

Falem o que quiserem, mas não falem mal de BFMV, porque, apesar do visual emo, eles tocam metal. :)

Jorge disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Excelente Disco, muito obrigado Felipe por ter postado esse maravilhoso álbum. E por favor postem mais álbuns de bandas de shoegazing.

Lara disse...

Nossa, eu gosto tanto da banda,corrí pra achar o link deste cd, você proporcionou isso.
grata.

Lara disse...

Nossa, eu gosto tanto da banda,corrí pra achar o link deste cd, você proporcionou isso.
grata.