segunda-feira, abril 20, 2009

Mono - Hymn to the Immortal Wind


Post-Rock ou pós rock, é, para mim, um dos genêros mais fudidos dentro de todos os gêneros e subgeneros que levam junto a definição “rock”. Se tu não sabe do que se trata, te apresento minha amiga Wikipedia. Depois que tu entra pra esse universo “mágico” de uma nova visão sobre musica alternativa, tu começa a buscar cada vez mais nomes.
Nos útlimos (2 - 3) anos, os grandes acabaram lançando discos “fracos”, Explosions In The Skye, Mogwai e 65daysofstatic, bandas novas abrem espaço, e os japoneses do Mono já não são mais tão novos assim, estão perto de fazer seus 10 anos de estrada e fizeram um disco arrebatador e talvez até o melhor de sua carreira.
Fazer músicas compridas já deixou de ser algo ambicioso faz tempo, mas eles ainda conseguem usar essa fórmula, misturando guitarras estridentes com passagens cinemáticas, eles conduzem com maestria a tênue linha entre barulho e melodia, guiados pelo mestre Steve Albini, que ficou no cargo de produtor. Da fúria do nosso guitarra-baixo-bateria, passam em instantes para a beleza de pianos, percussões, metalofones e uma orquestra inteira (!). Definitivamente, um álbum pra se escutar na tranquilidade, nas suas passagens de tensão monstruosas até a beleza épica. É só escutar e fazer um filme na tua cabeça. Dwld.

2 comentários:

Law D. Oh disse...

Um dos melhores discos do ano!

sdm disse...

Explosions In The Sky, sempre achei a melhor do estilo, seu som cru de só guitarra,baixo e batera, ñ é pra qualquer um.Postem o "All Of The Sudden I Miss Everyone" q é foda.