sábado, maio 24, 2008

Deicide - The Stench Of Redemption


Dentro do mundo do metal em geral, o Deicide sempre foi uma das bandas mais admiradas e polêmicas, sendo, inclusive, conhecida até por pessoas que não curtem metal extremo, devido às atitudes de seu vocalista e baixista, o famoso Glen Benton. Dentre essas atitudes, as mais polêmicas foram a da promessa do suicídio no palco e o crucifixo invertido que ele queimou em sua própria testa.
The Stench Of Redemption, lançado em 2006, é o oitavo álbum da banda, e também o melhor - na modesta opinião deste redator, logicamente. Por ser um álbum mais moderno, logicamente deveria ter uma produção moderna, e felizmente tem. A começar por não soar abafado como os álbuns dos anos 90, já subiu no meu conceito, logo na primeira audição. Depois, por contar com Jack Owen (ex-Cannibal Corpse) numa das guitarras e Ralph Santolla (foi fundador do Iced Earth, banda de metal melódico wannabe de guerreiros poderosos e malvados da era do gelo, mas que aqui detona um som bruto e nada melódico na guitarra) na outra, ambos executando trabalhos fantásticos de riffs em duplas, solos absurdamente apocalípticos, passagens beirando a maior velocidade possível, e por aí vai. Esse incrível trabalho de guitarras é somado ao gutural de Glen, que em certos casos é fundido com o rasgado, e mais a bateria brutal e completamente imparável de Steve Asheim, que por sinal também é o produtor dessa maravilha. Já são motivos suficientes para justificar o porquê desse álbum ser o melhor, né? Errado. Há muito ainda o que falar, a começar pela sonoridade suja, aliás, extremamente suja, mas que, mesmo assim, deixa todos os instrumentos perceptíveis. A empolgação que as músicas passam é tremenda, pois chego a me apavorar quando chega o refrão da faixa título ou versos com guitarras simples e velozes como em "Death To Jesus". Os caras foram muito espertos na tracklist, pois botaram paulada após paulada, uma melhor que a outra, e acabam com uma música bem diferente. Importante ressaltar que as poucas partes lentas possuem um feeling assustador, num clima realmente maligno e de tirania.
Esse álbum também é notável por estar rondado de fatos estratégicos de puro marketing, como o lançamento virtual de algumas músicas no dia 06 de junho de 2006 (6/6/6). A versão especial (não é a do download nesse post), que possui bonus-track, tem um cover do Deep Purple com a música "Black Night". A letra desse som foi reescrita por Glen Benton, que por sinal alega já ter visto um "Pé Grande" na floresta. Segundo ele, isso é sério. Tire sua conclusão e tente imaginar o que ele canta em "Black Night".
Resumindo: Ótimo álbum mesmo! Se você curte um bom som extremo, porém audível e inteligente, baixa logo ou compra. Download.

10 comentários:

Jesus disse...

"foi fundador do Iced Earth, banda de metal melódico wannabe de guerreiros poderosos e malvados da era do gelo, mas que aqui detona um som bruto e nada melódico na guitarra"

????????????????????????????????

Jesus disse...

Iced Earth não é metal melódico.

Edmilson disse...

De fato, o negócio deles é power metal, mas é semelhante o suficiente pra desagradar quem não gosta de melódico. Não é o meu caso, pois gosto deles (conheço pouco, mas acho bom).

Se eu entendi corretamente, ele gosta tanto de bandas como Angra, Helloween quanto gosta de Iced Earth, e como existem semelhanças, entra tudo no mesmo barco, o das bandas que ele detesta. Fazer o quê, quando não agrada não tem jeito.

Symbiont disse...

Claro que é melódico! Feio demais, por sinal. Há pouca diferenca entre Angra, Blind Guardian e Iced Earth, mas, no geral, são tudo farinha do mesmo saco. Tudo metalzinho besta e frescurento!

Edmilson disse...

Olha, Iced Earth e Angra são muito diferentes. Confere só:

Angra:
http://br.youtube.com/watch?v=uWN22crmHBQ&feature=related

Iced Earth:
http://br.youtube.com/watch?v=-U_GgGzoVBk

E Iced Earth geralmente fala sobre violência e guerra, mas nos EUA. Se não me engano lançaram um álbum falando sobre a guerra separatista norte-sul (ou será que foi a guerra contra os ingleses? não tenho certeza).

Esse negócio de guerreiros poderosos é coisa do Manowar, Hammerfall e das bandas vikings, como Amon Amarth (que é uma ótima banda, assim como o Manowar). Essa música do Iced Earth inclusive fala sobre Jack o Estripador, ou seja, muito foda.

Symbiont disse...

Ae, Edmilson. Parabéns pela tua argumentação. Mas, de qualquer modo, há músicas do IE que falam sobre guerreirinhos e coisas do gênero, pois já escutei um álbum deles e vi isso. E o ex-vocal do Judas que gravou o Demolition já foi do IE, e ele só manda agudões e tal. Sonoramente, não vejo muita diferença, não, apesar dos vídeos. Numa visão bem geral, são do mesmo saco. Hahaha! Mas, porra, cadê a galera falando do Deicide?

Edmilson disse...

Se só por soltar agudos, classificássemos uma banda como metal melódico, boa parte das bandas de heavy da década de oitenta seriam melódicas, como Iron Maidem, Judas Priest (inclusive com o Rob Halford), Mercyful Fate, Elixir, etc.

Ainda acho que é porque você não gosta mesmo. Então entra pra lista dois ruins, e sabe como é, não gastamos muito tempo classificando os níveis de ruindade, é tudo ruim, e pronto. Nem faz muito sentido ficar perdendo tempo com algo que você não gosta.

Quanto ao Deicide, acho uma banda muito boa, mas ainda prefiro o Glen Benton no Vital Remains (Dave Suzuki simplesmente detona). Eles capricharam muito nesse álbum. As bases estão ótimas, assim como os solos, que estão mais melódicos que o usual para o Deicide (inclusive o proprio Glen Benton disse isso em entrevista), mas que ainda está a bem distante de um Angra ou mesmo Iced Earth. Apesar de não concordar com o satanismo pregado por eles, acho divertido quando eles tiram onda com religiosos, especialmente os cristãos. Esse é com certeza um ótimo álbum.

Parece que quem visita o site tem preguiça de comentar, só pode.

Lincoln Hawk disse...

Bom o argumento. Também não vejo diferença nessas bandas "épicas" e no Amon Amarth, apenas o tipo de som, por ser mais "brabo", mas o assunto é o mesmo.
Também não gosto de heavy metal melódico, power metal e afins, por isso é legal falar mal deles.

Lincoln Hawk disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

nao curti esse do deicide
mas com certeza é melhor que qq coisinha de metal melodico tipo Iced Earth