domingo, dezembro 23, 2007

Jesu - Pale Sketches


Napalm Death, uma das bandas preferidas da casa, um dos criadores do Grindcore e uma das bandas mais difíceis de se decorar nome de um integrante, principalmente aqueles do início da carreira. Como por exemplo o primeiro disco da banda, o clássico Scum, em forma de vinil, cada lado dele, apresnetava uma formação diferente. Porém sempre tem aqueles que se destacam, como Mick Harris, ilustre baterista que tocou na banda durante muito tempo e integrou o Painkiller, e Justin Broadrick, que tocou guitarra e cantou em metade do álbum, e ganhou notoriedade quando formou sua banda Godflesh, banda pioneira de um dos estilos que está ganhando muito espaço na cena underground (e aqui no blog também!) e eu venho notando isso, que é um amontuado de Post-Metal, Industrial, Drone Doom e Ambinetal Atmosférico, "intêndi"?
Bom, pra toda essa introdução (ou conversa mole, como preferir) fazer algum sentido, Jesu é a banda que Justin Broadrick trouxe à vida, após sepultar sua antiga banda Godflesh. O Jesu ganhou vida em 2003, e Justin é exclusivamente a mente insana por trás de tudo que a banda cria; Faz toda a programação, os vocais, a guitarra e ainda toca baixo, deixando apenas a bateria para outro músico. O som executado pelo Jesu é uma proposta mais experimental que o Godflesh, com elementos eletrônicos mais variados e até a adição de uma postura Shoegazer (guitarra barulhentonas) em alguns sons, mas isso vai depender exlusivamente de qual material tu escutar.
Pale Sketches, terceiro disco da banda, segundo lançado este ano (ao lado de mais 2 EPs e um Split), por exemplo, é um álbum que explora bem mais o lado eletrônico e ambiental, carregadíssimo de distorção, deixando de lado o peso e o vocal agressivo de outros álbuns. Em alguns momentos, esse disco consegue ser até alegre, mas em geral, é o retrato de um lugar frio e cinzento. Fiquei sabendo que este álbum foi composto apenas com músicas que foram gravadas de 2000 até 2007, porém nunca haviam sidas lançadas, pra ver o vasto material e criatividade que esse rapaz tem, sem contar os inúmeros remixes que ele já fez para bandas como Isis, Pelican, Earth e até Pantera.
Vale frizar também que este foi o único disco não lançado pela Hydra Head, e sim pelo próprio selo da banda, chamado Avalanche, com edição limitada de apenas 2.000 cópias. Esse não é apenas mais um lançamento, ou um ótimo disco, mas também uma raridade. Baixe clicando na capa.

4 comentários:

blessed are the sick disse...

excelente!!!!!

adoro quando postam Isis, My Bloody Valentine, Neurosis, essas tranquêras no blog! (não sei se ja postaram Neurosis aqui, mas seria uma ótima pedida =P)

Anônimo disse...

to aqui pra aradecer por todos os sons q peguei aqui no blog,esse blog eh DUKARVALHO!!!!sempre q puderem continuem postando podreiras grind-death-blast!peço se vcs acharem algo parecido com anaal nathrakh postem p/f.thanks for all e feliz natal p/vcs ae do Brasil.BROWAR from JPN

kekson disse...

yeeah!! neurosis!!!

Mute disse...

opa rlz
pedi um album do JESU uns posts atras e me atenderam =)
parabens pelo blog de novo, bem ecletico, no bom sentido