quarta-feira, janeiro 16, 2008

Transplants - Transplants


Já é de muito tempo que o som arruaçeiro do Hip Hop se mistura com o saudoso rock, independente do sub-gênero, como por exemplo o Clash fazia no início dos anos 80, ou então grupos de rap do tipo Run-D.M.C. ou Cypress Hill, Public Enemy com Anthrax, e grupos mais orientados pelo rock, vide Rage Against The Machine e o Biohazard.
Toda essa conversa mole é pra apresentar o gênero de uma das bandas mais legais que são rotulados como Raprock. Os Transplants surgiu em 99, quando Tim Armstrong do Rancid, mostrou pro seu amigo Rob Aston aka Skinhead Rob, que era roadie do Rancid e do AFI, algumas batidas que ele tinha feito no Pro Tools, e pediu pro cara contribuir com letras, já que ele tinha a manha das rimas. A proposta era fazer uma mistura de rap com punk rock, mas dando espaço para o dub, drum n bass e reggae, e a medida que a coisa ia crescendo, eles foram pedindo ajuda para outros músicos como Matt Freeman e Lars Frederiksen, baixista e guitarrista do Rancid e Vic Ruggiero, da banda de ska The Slackers, que gravam pela Hellcat, selo de propriedade de Tim Armstrong.
Até que finalmente em 2002, com o disco pronto, mas não lançado, a dupla precisava de um baterista de verdade, pra poder sair em turnê com eles, aí que surge Travis Barker, atual +44 e o melhor baterista do mundo se tu tiver 15 anos, e foi nessa época que eu conheci a banda. No mesmo ano saiu o disco e eu tomei um baita susto, porque não tinha mínima idéia do que seria a banda, mas ao mesmo tempo, sôava muito bem aos ouvidos, e isso que importa.
O disco é uma mistura braba, mas que sempre deixa o punk rock e o rap em evidência, durante todo o disco, alternando os vocais entre Armstrong e Rob Aston, entre os vários convidados, como Eric Ozenne do The Nerve Agents na faixa inicial, a pesadona "Romper Stomper", com batidas drum n bass e clima hardcore, Son Dobbie do Funkdoobiest na viciante "Diamond and Guns", com um loop de piano bagaçeiro, que ganhou fama numa propaganda de shampoo (!). Davey Havock do AFI dá o seu ar da graça também, soltando o berro, assim como Rob Aston, na nervosa "Quick Death". Como não podia faltar, Lars Frederiksen também impresta sua voz em "We Trusted You", assim com Brody Dalle, ex-mulher de Tim e vocalista dos Distillers em "Weigh On My Mind", um dos sons mais legais do disco.
Se tu gosta do mix dos gêneros, vai fundo, pode baixar por aqui, e tenho certeza que eles vão dar as caras por aqui mais tarde.

5 comentários:

Anônimo disse...

daqui a pouco vaum postar linkin park, system of down, slipknot, creed e blink 182

Felipe Eugênio disse...

COM CERTEZA!

Capitão Nascimento disse...

Ae, vou postar um Creed! Minha esposa escutava enquanto estava grávida, só para ficar relax.

Rafael Bauer disse...

CERTO...

Matias disse...

É.